Archive for the Reflexões Category

Qual o problema da nossa nação?

Posted in Reflexões on 31 março, 2016 by Bruno Brasil

Vivemos dias difíceis.brasil

O quadro do nosso país sugere o caos e a urgente necessidade de transformações. O que mais o povo tem ouvido é o “toma lá da cá” dos governantes do nosso país. No entanto, eles não chegaram ao poder do serviço sem que alguém lhes tenha conferido esse direito. E esse alguém somos nós! Logo, eles não passam de espelhos.

Você pode indagar: Mas eu não votei em ninguém que aí está. Ok! Mas também não impediu que outros votassem. Vivemos em sociedade, onde nossas relações são interdependentes, quer você queira ou não. Assim, o que está diante de nós é uma realidade onde ninguém escapa; e essa reflexão deve levar a um olhar mais profundo.

Ninguém é salvo sem que primeiro seja pecador!

Muito embora as instituições do Brasil possam contribuir para aumentar os dispositivos de controle quanto a corrupção, esse esforço será sempre pequeno diante do maior problema do ser humano, e, logo, de qualquer governo. O pecado!

Enquanto não houver arrependimento, senão transferências de culpa, o caos continuará presente.

Enquanto a fé não for resultado de um arrependimento verdadeiro ao estado de pecador que somos, continuaremos transferindo culpa e responsabilidades.

Não há um justo sequer. Todos se desviaram, corromperam a lei de Deus.

Ai de nós, não fosse a justiça de Cristo em nosso favor!

Jamais o ser humano deveria ocultar essas 3 verdades:

1ª Todos pecaram e carecem da glória de Deus.

2ª Somente Cristo pode justificar o pecador.

3ª Somente a fé é o veículo pelo qual recebemos a justiça de Cristo.

Assim, como, para receber os benefícios de um tratamento é necessário reconhecer o problema e confiar nas palavras do médico; a cura para qualquer pessoa e governo é o reconhecimento do estado de miséria e pecado e a confiança na justiça superior.

Todos nós nos desviamos de Deus e o acesso a essa reconciliação é o arrependimento e a fé em Cristo Jesus.

Se você não tem do que se arrepender, não tem como ser salvo.

Salvação é para pecadores e não para “santos”.

Que o Senhor tenha misericórdia de nós e de nossa nação, pois carecemos da sua Glória!

Anúncios

Bebida Alcoólica

Posted in Opinião, Reflexões on 19 fevereiro, 2014 by Bruno Brasil

bebida2

Bebida Alcoólica

Sei que é um assunto que ainda gera polêmicas e opiniões contrárias, mas quero pontuar algumas coisas que entendo serem importantes.

Nas escrituras o que temos descrito de bebida alcoólica é o vinho, pois era a partir de um fruto bem comum da época. Mas creio que podemos utilizá-la como base para qualquer outra bebida alcoólica.

O vinho era uma bebida comum em todo Israel e parte fundamental da cultura, por isso era também utilizado como expressão poética. Em ocasiões especiais (Gn.14.18), especialmente em festas (Et. 1.7; Jó. 1.18; Ec. 9.7; Jr. 31.12; Jo. 2). O vinho era sinal de provisão para o povo (Jl. 2.19). Jesus conta parábolas utilizando a figura da uva como exemplo.

O vinho era utilizado também para cura de feridas como o caso do bom samaritano que derramou vinho nas feridas do homem (Lc. 10.34) e também Paulo quando orienta Timóteo a que utilizasse de vinho em suas feridas de estômago (ITm.5.22).

Obs.: Há uma controvérsia se o vinho que a bíblia se refere, como recomendação para uso, era fermentado ou não, mas isso é uma questão que não posso fechar agora. Irei tomar como base o vinho que passou pelo processo de fermentação, ou seja, com teor alcoólico.

Embriaguez

Olhando as Escrituras é possível perceber que a embriaguez é um pecado (ICo. 6.9-11; Gl. 5.19-21), pois configura dominação (consciência) que é oposto do domínio próprio como fruto do Espírito (Gl. 5.23). Além disso, a embriaguez carrega o potencial de provocar outros pecados como, por exemplo, homicídio, brigas, adultério, incesto (IISm. 11.13; Pv. 23.29-35; Gn. 19.31-35).

Outros textos falam claramente sobre a bebida assumindo o domínio do indivíduo e que é reprovado pelas Escrituras. (Sl. 78.65; Pv.20.1, 23.20,30; Is. 28.1,7; Joel 3.3; Ef. 5.18)

Há também orientações aos pastores para que estes não sejam apegados a “muita bebida” (ITm.3.3).  Penso que aqui esteja implícita a questão do exemplo quanto à sobriedade.

O primeiro registro bíblico sobre o vinho é quando Noé planta uma vinha e acaba se embriagando, vindo a tirar a roupa e seu filho descobrir sua nudez (Gn.9.21). Certamente há uma lição que precisamos aprender aqui. O excesso geralmente nos faz cometer coisas absurdas.

Beber com moderação, pode?

O que é beber com moderação?

É certo que não podemos pensar em termos quantitativos, ou seja, quanto que eu posso beber, afinal, o que é moderação para um pode não ser para outro e, portanto, não temos um parâmetro para pensar nesses termos. Infelizmente o termo já se relativizou, pois estamos numa cultura de valores trocados. A moderação de hoje pode ser diferente de ontem e de amanhã…

Creio que podemos pensar em “moderação” a partir do que Paulo diz a Tito e a Timóteo nas Escrituras, veja:

“Ensine os homens mais velhos a serem moderados, dignos de respeito, sensatos e sadios na fé, no amor e na perseverança (Tt. 2.2).”

“Você, porém, seja moderado em tudo, suporte os sofrimentos, faça a obra de um evangelista, cumpra plenamente o seu ministério (IITm. 4.5).”

Pelo contexto é razoável que o termo se refere a uma atitude de equilíbrio, que não gere conflito de consciência (ofensa) a outras pessoas e por aí vai.

Então, beber ou não beber?

Existem aqueles que acham que a bebida deve ser radicalmente abolida e se o crente beber uma taça de vinho ou uma lata de cerveja já está em pecado. Outros – ao contrário – preferem radicalizar dizendo não haver nenhum problema ao se tomar bebida alcoólica.

Vejo que qualquer um desses caminhos é perigoso, pois de um lado alimenta-se uma preocupação muito mais com a estética de “não beber”, preocupando-se mais com o que se bebe do que porque se bebe. Do outro lado, aqueles que não veem problema algum, acabam indo a outro extremo e cometendo excessos que podem levar a consequências trágicas.

Penso que o exercício da própria consciência e respeito ao próximo deve pairar em qualquer tema inclusive nesse.

Liberdade, Consciência e Amor ao próximo:

Em Cristo o que nos regula na vida é a consciência dessa nova vida que temos.

Paulo diz que todas as coisas são puras para os puros (Tt. 1.15a) e feliz o homem que não se condena naquilo que aprova (Rm. 14.22).

Assim, a consciência acaba sendo mais crítica do que a Lei, pois as exigências da lei estão gravadas no coração e assim ela nos acusa ou nos defende, pois ela se amplia na subjetividade do coração (Rm. 2.15) e deve também considerar a consciência do próximo (Rm.14).

Hernandes Dias Lopes, um pastor que admiro diz que a ética cristã não se baseia somente no direito ou na consciência de cada um, mas no direito do outro e no amor ao próximo.

“Dessa maneira, não se pode fechar os olhos para a realidade de tantas tragédias pessoais decorrentes da bebida e das perspectivas da juventude brasileira, que está sendo consumida pelo álcool”.

Eu não encaro a questão da bebida como um dogma, mas dentro do tema da Liberdade Cristã que deve nos levar a algumas reflexões:

Em primeiro lugar para os que têm dúvidas se devem beber ou não, é melhor que não beba, afinal tudo que não provém de fé é pecado (Rm. 14.23);

Segundo, é necessário cuidar-se do “domínio próprio” que é uma das características do Fruto do Espírito. É importante considerar que, assim como em outros casos de vício, muitos têm dificuldades em perceber que está refém da bebida ou controlado por ela de alguma forma, até começarem os problemas. Assim é preciso vigilância e coragem para dizer “NÃO” muitas vezes;

A bebida ainda continua sendo uma poderosa arma nas mãos de Satanás para atingir as famílias e, portanto, todo cuidado é pouco. O exemplo na família, junto aos filhos principalmente, é fundamental.

Penso que é importante evitar também a bebida alcoólica na presença de pessoas não cristãs, porque qualquer vacilo pode ser fatal, além do mais, o álcool ainda está relacionado a diversas práticas condenadas nas Escrituras. Na presença de cristãos somente se estes tiverem em paz com relação a isso não sendo motivo de escândalo.

Agora, se alguém não consegue deixar de ingerir álcool devido ao grande sacrifício que se faz, então possivelmente se tem um problema nesta área e a bebida já exerça algum controle, sendo assim, talvez seja hora de radicalizar preferindo não beber até que se esteja em condições de fazer as escolhas de modo mais livre.

Resumindo, não creio que em si a bebida seja pecado, mas as questões acima ajudam a gente a perceber os perigos e a discernir como devemos agir diante dela.

Creio que na medida em que a consciência dos limites/consequências cresce tanto naquele que julga quanto no que é julgado, o tema acaba perdendo a excessiva importância que é dada e os problemas tendem a diminuir. Enquanto isso, muitas vezes recuar será o melhor caminho.

Bruno Brasil

Mudar de Faixa sem mudar a Direção!

Posted in Reflexões on 13 outubro, 2013 by Bruno Brasil

faixa3
Numa viagem de automóvel, mudanças de faixa e ultrapassagens são quase inevitáveis.

Pode ser a necessidade de aproveitar uma alternativa de “melhor fluxo”; ou oferecer passagem a um carro que está em velocidade superior a sua e vice-versa; e até mesmo ir para uma faixa que facilite uma conversão mais a frente.

Enfim, qualquer que seja o motivo dessas mudanças o fato é que todas elas acontecem numa mesma condição. Quando se está em movimento!

Sim! É em movimento que as mudanças se estabelecem. Afinal, como trocar de faixa quando se está parado? Impossível!

Em nossa vida também existe a necessidade de mudança de faixas:

Às vezes pela necessidade de avançar mais, outras de recuar para dar passagem, e até mesmo de fazer uma mudança mais a frente sem maiores problemas. Essas mudanças podem ser necessárias e até fácil de decidir, porém nem sempre é suave compatibilizar as velocidades para que todos envolvidos sigam satisfeitos.

Assim, saber o sentido da sua caminhada ajuda em muito na decisão de escolher qual faixa seguir. E se você sabe qual é a “faixa” do outro, facilita também a sua “prestação de serviços”. No entanto, muitas vezes não é fácil entender qual a intenção do outro e os porquês de se fazer certas opções. Ainda mais quando o outro que está ao seu lado ao mesmo tempo é alguém muito distante. Deste modo, se não sabe ou não se é possível saber, busque as melhores formas de não interromper a viagem do outro e continue sempre atento em sua caminhada. Afinal, podemos estar caminhando numa mesma direção, mas a faixa precisar ser diferente por diversos motivos.

A mudança de faixa é muitas vezes necessária para a sua vida e a dos demais, afinal, Deus nos guia de acordo com as nossas potencialidades e limitações sustentadas por sua Graça. Porém, é fundamental que se olhe aonde se quer chegar, afinal o alvo da nossa caminhada não pode mudar. As mudanças devem ocorrer para que o alvo seja mais bem visto ou até mesmo melhor perseguido.

Então, cuide-se!

Às vezes uma mudança de faixa poderá atrasar ainda mais a sua caminhada. Não se iluda com uma faixa “mais livre”, só por estar livre, afinal ela pode estar reservada apenas para alguns “veículos autorizados”. Portanto, não pegue “carona” no veículo do outro, pois o atraso pode ser certo. A faixa mais livre no momento pode se tornar a faixa mais lenta logo a frente.

Concentre na sua viagem, pois Deus acenderá as luzes na medida em que você avança. Podemos estar com muitas pessoas numa mesma direção, mas as circunstâncias, desafios e riscos da direção são exclusivos e, portanto, intransferíveis.

Estas mudanças exigirão de você. Uma maior aceleração aqui outra desaceleração ali e isso implica numa avaliação sincera de sua caminhada com Deus. Quando for hora de avançar, não recue, mesmo que exija certa tensão na ultrapassagem; e quando for momento de recuar, não avance, pois o risco de acidentes poderá ser grave.

Outro fator importante!

Tome cuidado com as sinalizações e os limites da rodovia. Haverá momentos que o ritmo dependerá desses limites. Por isso a importância de não diminuir nem acelerar demais. Fique na faixa de velocidade permitida. Os sinais da via irão lhe mostrar quando as mudanças deverão ocorrer. Algumas mais rapidamente, outras menos.

Uma última atenção são as condições da pista e isso afetará também o ritmo da viagem. Assim, cuidado com as pistas desconhecidas, muita cautela e prudência nesta hora, ainda mais se não houver alguém ao lado que já tenha passado por situações semelhantes.

E lembre-se:

A viagem no evangelho não é percorrida para se ter um vencedor que chega mais rápido, mas que chegue sem perder o bem mais precioso. O andar com Deus pela Fé!

E assim, poder fazer suas, as palavras do apóstolo Paulo:

“Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé.” II Tm. 4.7

Esteja atento às mudanças de Deus em sua vida, mas não se iluda com propostas irreais. Mantenham-se em movimento e com os pés no chão, respeitando os sinais e limites estabelecido, e atento as suas próprias limitações. Sem esquecer que o nosso Guia sabe o que está fazendo, afinal:

“Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.” Rm. 8.28

Bruno Brasil

Pit Stop: Quando “PARAR!” é a melhor alternativa.

Posted in Reflexões on 1 outubro, 2013 by Bruno Brasil

pitstopokPense numa viagem de automóvel:

Você tem um destino, fez o planejamento que incluiu todo o seu check list e agora está viajando. No meio do caminho, você se vê na necessidade de parar no acostamento, pois alguma coisa ocorreu.

Puxa! Que saco. Logo agora!? E começam os desabafos…

Daí você percebe que é um simples pneu furado, onde a troca se dá sem maiores transtornos.

Ufa! Não era tão grave assim.

Então você prossegue viagem e no meio dela, você se vê indo novamente para o acostamento.

E agora, o que será?

Mexe daqui, mexe dali e nada. Nesta hora você se torna um especialista em automóveis buscando mexer em tudo para resolver o problema que está impedido à tão sonhada viagem. Após um tempo percebe que suas tentativas foram em vão e só resta chamar o reboque ou algum especialista de plantão para resolver o problema. A viagem se torna em lamento e você se vê tendo que mudar os planos até estar pronto novamente para recomeçar a viagem.

Esse tipo de situação pode ocorrer com qualquer um que ponha o carro literalmente “na pista”.

Parar no acostamento pode parecer um fracasso, pois interrompe uma viagem em percurso. É visto muitas vezes como um sinal de decepção, pois o que estava no programa parece ficar pra depois, quando não adiado. Mesmo uma substituição prevista como a troca de um pneu ou até algo mais complexo que dependa de especialistas pode ser visto como armadilha e um devorador de planos.

No entanto, mesmo com os transtornos, é necessário pensar na importância do acostamento, afinal, sem ele os reparos seriam muito mais difíceis, além de colocar outras pessoas em risco.

Agora pense na caminhada da vida, ela não é tão diferente assim:

Por vezes percebemos uma infinidade de situações que podem nos trazer inseguranças, medos e até mesmo um replanejamento no objetivo que traçamos. E qualquer mudança ou alteração do previsto acaba gerando algum tipo de instabilidade ou tensão.

Assim como um carro na pista pode nos fazer parar para “socorrê-lo”, podemos também viver a mesma situação com a nossa vida, onde às vezes o acostamento é a única saída. No entanto, ter uma alternativa de “conserto” quando se está parado é sem dúvida muito mais aconselhável do que fazer em movimento. Afinal, estar em movimento é estar vulnerável. Assim, sugiro que você dê a importância devida e valorize as paradas imprevisíveis da vida, pois através delas você evitará que muitas pessoas também parem com você.

Em sua caminhada existem momentos que só você para; mais ninguém!

Sim! Para porque foi negligente ou porque mesmo com os cuidados, havia outras medidas a serem tomadas que você ignorou. Ou para, porque mesmo diante de todas as previsões, aconteceu algo para que você soubesse que nem tudo pode ser controlado ou mesmo depende de você. E quando não se para, o Senhor mesmo o faz. E feliz é o homem que faz destas paradas oportunidades para um novo e melhor recomeço.

No entanto, busque meios para que as paradas imprevisíveis não se tornem previsíveis por conta da irresponsabilidade assumida.

E uma vez que a vida não pode ficar parada sempre no acostamento, lembre-se de fazer as “manutenções preventivas”, para que o risco de acostamento seja menor.

Quero lhe dar algumas sugestões:

1)       Pratique uma boa atividade física, pois além de condicionar o corpo, prepara a mente para a caminhada;

2)       Faça boas leituras capazes de levar você a outras viagens;

3)       Tenha uma alimentação equilibrada sem exageros que proporcione bem estar e moderação;

4)       Pratique um hobby que te traga satisfação e não apenas “passar o tempo”;

5)       Esteja em locais que despertem outras emoções como ouvir o canto de um pássaro, beber uma água corrente, ou seja, entrar em contato com aquilo que o homem não pode criar;

6)       Cultive novos hábitos de disciplinas espirituais, como a confissão, a introspecção, a confiança e o amor;

7)       Ouça uma boa música que lhe traga recordações importantes da sua vida;

8)       Busque meios de beneficiar pessoas mais próximas, que pela rotina ficam esquecidas, como se estivessem longes;

9)       Ofereça alívio à dor do outro. Quando não puder fazer, apenas viva com ele(a) aquele momento;

10)   Converse abertamente com pelo menos um amigo sem reservas ou pudores. Liberte sua alma e seu coração.

A história das coisas

Posted in Reflexões on 26 setembro, 2011 by Bruno Brasil

Pessoal, bom dia!

Segue um vídeo que vale a pena…

Se todos os dados são verdadeiros, isso não posso afirmar, mas no mínimo nos chama atenção a vários pontos que fazem parte da nossa realidade.

Veja, Reflita, Mude hábitos!

O vídeo narra basicamente o processo de extração, produção e consumo dos bens e seus impactos no meio ambiente desde sua produção até o seu consumo. Toca em vários pontos que são essenciais para um processo de reflexão e ao mesmo tempo mudanças de hábitos, posturas e até mesmo iniciativas que visam atingir setores que não temos acesso diretamente.

Um problema levantado é a questão do próprio sistema de produção que infelizmente não se dá conta da finitude da terra e continuam por alimentar uma cadeia que aquilo que é consumido não é eliminado de modo simples pela natureza. No entanto, a produção é contínua sendo tão somente necessária para substituir o que foi descartado. Neste processo de extração para produção a própria natureza não é reabastecida ficando refém do próprio sistema, vindo ela mesma a responder pela ação agressiva do homem. Neste ínterim, países como os Estados Unidos e outros acabam por utilizar recursos de outros países para suprir a própria demanda interna por consumo.

Outro ponto importante que o vídeo mostra é com relação as transferências de custos para produção a fim de gerar produtos mais baratos e, para isso, utilizam mão de obra barata o que subtende escravização dos trabalhadores, além da terceirização a outros países na fabricação de outras peças que poderiam causar impactos ao país. Deste modo, os próprios trabalhadores acabam por pagar parte desse altíssimo preço que vai sendo fracionado para os homens e para a própria natureza que fica exposta ao recebimento dos lixos tóxicos que são utilizados na produção e também no descarte desses bens. E este ciclo acaba aumentando uma vez que a tendência é se ter produtos cada vez descartados com mais facilidade sem a visão de reutilização e conseqüente diminuição em sua produção. De fato, isso não é nem um pouco interessante para uma pequena parte da população cujos interesses comerciais, egoístas desejam apenas verem a roda girando para o seu próprio enriquecimento escravizando todo o meio ambiente (esquecendo que também fazem parte dele).

Infelizmente a sociedade de consumo acaba por alimentar o próprio sistema (trabalho – mídia – consumo) que ela mesma sofre, reduzindo o tempo para a própria vida e família.

Como ação é importante considerar a reciclagem, mas ela tem sua limitação. Penso que a chave para a redução dessas conseqüências seja uma reeducação em torno do consumo, uma vez que isso naturalmente atingiria a causa (produção) e minimizaria os muitos impactos deste longo processo.

O vídeo não apenas se preocupa com as informações, mas também provoca, desafia e ao mesmo tempo carrega de esperanças em saber que em cada fase do processo existem pessoas cujos princípios e valores devem ser respeitados e por isso vale a pena lutar.

Bruno Brasil

E o ano de 2010 se foi…mas continua…!

Posted in Outra, Reflexões on 31 dezembro, 2010 by Bruno Brasil

Gente amada!

Espero que este blog esteja/continue sendo um canal de expressão do Evangelho em sua vida!
Apesar da minha ausência algumas vezes, desejo encontrar tempo para dizer do que recebo e vivo enquanto caminho…

Quero deixar registrado minha alegria em poder expressar rapidamente sobre o significado de 2010 na minha vida.

Um ano que passa, porém o viver dele nunca passa, pois permanece para a jornada da vida…

Um ano que pude encontrar e me encantar com uma bela flor no jardim e que continua desabrochando, porém recebendo agora os meus cuidados …
Um ano que percebi confirmações de Deus quanto ao ministério …
Um ano que aprendi a esperar que certas coisas se encaixassem naturalmente durante a caminhada …
Um ano em que pude estreitar laços numa comunidade carente e perceber que tudo pode ser melhor enquanto a chama do amor não se apaga …
Um ano em que tive a oportunidade de estar envolvido com muitas pessoas de diferentes cores, credos e perspectivas …
Um ano que acolhi e fui acolhido, que ofertei e fui ofertado, que dei mas também recebi de muitas maneiras …
Um ano em que amigos não se foram, apesar da falta de alguns … 
Um ano em que tive pessoas tão perto, mas que estavam distantes, porém pessoas longe, mas que estavam bem mais perto do que eu imaginava …

Um ano marcado pela mensagem de Cristo, mas também pelo Cristo da mensagem.

Um ano de paz, apesar das tensões!
Um ano de desafios, mas de vitórias!
Um ano de necessidades, mas também de provisão!
Um ano que passou muito rápido, mas que não via a hora dele chegar ao seu fim!
Um ano muito intenso, porém de constante graça e acolhimento da parte de Deus!
Um ano de avaliações e perguntas das mais diversas, porém com uma única certeza…

Eu sei que o meu redentor vive! 

Apesar de saber que o Senhor está para além do tempo e dos anos, Ele não tira de mim o privilégio de poder dizer do que se foi, do que está sendo e da esperança do amanhã.

Muito obrigado Senhor pelo ano de 2010!

Bruno Brasil

Natal – Tempo de nascer e renascer!

Posted in Outra, Reflexões on 25 dezembro, 2010 by Bruno Brasil

“No princípio era o verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por meio dele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens. A luz resplandece nas trevas, e as trevas não prevaleceram sobre ela.” (João. 1.1-5)

Comemoramos neste dia 25 de dezembro o nascer de Cristo, e mesmo que a data seja apenas figurativa a expressão tem de ser carregada com toda intensidade que o significado requer.

A palavra Natal tem sua origem do latim “natalis”, que tem por significado nascer.

Nascer é sair para fora…! É despertar para a vida…! É se encantar com a criação…!

Nascer é deixar o que confinava para caminhar em verdes pastos…
Nascer é estar numa terra distante sabendo do seu propósito…
Nascer é pela fé, enxergar que só há vida, porque houve morte…

Quem nasce aprende com a vida e desemboca em vida para com os outros…
Quem nasce descobre a cada manhã o prazer de servir pelo amor…
Quem nasce refaz o ciclo da vida e com alegria perdoa…
Quem nasce se desperta para aquilo que sempre é mais profundo e geralmente imperceptível aos olhos…

Em Jesus o nascer é a simples descoberta do prazer de viver…
Em Jesus o nascer pode começar numa simples palavra, numa simples motivação, num simples interesse…
Em Jesus o nascer é uma disposição antes que qualquer coisa venha a existir…
Em Jesus o nascer é a produção de vida que dissipa toda a escuridão…

Sabemos pois que o morrer é lucro, mas o viver é Cristo!

Portanto, não há prazer maior do que estar vivo e poder renascer todo dia para o bem de todos!

Essa é a maior benção e o maior desafio!

Precisa hoje nascer ou renascer em alguma área de sua vida?

“No princípio era o Verbo e o Verbo estava com Deus e ele era o próprio Deus…”

O nascer de Cristo vem carregado de significados…. 
E não apenas o nascer d’Ele, mas principalmente o nascer por meio d’Ele!

Aquele que se deixa viver com Cristo, por Ele alimenta o ser de vida, de luz e de paz!

Um feliz NASCER para você!

Que Deus lhe abençoe!
Beijo no coração.
Bruno Brasil