Archive for the Devocionais Category

Uma festa especial!

Posted in Devocionais on 15 dezembro, 2015 by Bruno Brasil

mesa-real2-z

“Felizes os convidados para o banquete do casamento do Cordeiro!” Ap. 19.9b

A festa está sendo preparada!

Não será uma festa qualquer. Será a melhor festa que você já participou na vida!

As músicas estão sendo escolhidas para agradar a todos. Os instrumentos minuciosamente afinados para que o lindo coral faça o espetáculo.

O lugar já recebeu um brilho todo diferente e os assentos escolhidos a dedo, um a um cuidadosamente.

A iluminação do lugar estará por conta do dono da festa. Uma luz especial, nunca vista antes.

A comida estará preparada na temperatura certa, com o melhor tempero que você já experimentou. Aromas e sabores que não se podem descrever.

Ao chegar nesta festa, todos receberão vestes especiais, portanto, não se preocupe com a sua aparência. Lá não haverá motivos para comparações desagradáveis, pois cada um estará elegantemente vestido!

Mas o banquete estará pronto quando o último convidado estiver embarcado para a festa.

A passagem já foi paga, custou um alto preço! Você e eu não teríamos condições de pagar.

O motorista que levará todos é o mesmo que assumiu as despesas. Ele será o seu motorista pessoal, pois lhe dará todas as condições para uma viajem segura e com a chegada garantida!

O convite está posto e o embarque também!

Que o Senhor te abençoe e te guarde!

Bruno Brasil

Anúncios

Viver um sonho

Posted in Devocionais with tags , , , , on 13 novembro, 2014 by Bruno Brasil

andarcomdeus

Quais os sonhos você tem alimentado?
Que tipo de sonho faz você caminhar?
Sonhos de “ter” ou sonhos de “ser”?

É raro encontrarmos pessoas que dizem assim: “Sonho em ser mais amoroso!”, “Sonho em ser mais honesto!”, “Sonho em ser uma pessoa que transmita sabedoria diante dos homens!”.

Infelizmente o que vemos é a busca por uma satisfação a partir do “ter” e não do “ser”. As pessoas desejam ter alguma coisa para projetarem suas saídas, alegrias e esperanças, achando que tendo algo poderão desfrutar pra sempre daquilo. No entanto, depois de breve tempo a frustração aparece, pois buscaram uma esperança naquilo que é aparente e nem sempre carrega o valor que acreditamos.

Mas o fato é que todos nós temos sonhos.
Todos nós precisamos ter sonhos.
Todos nós vivemos por sonhos.

E se não temos sonhos já não vivemos, pois não há vida sem sonhos!

Já dizia o sábio Salomão:

“Quem está entre os vivos têm esperança; até um cachorro vivo é melhor do que um leão morto!” Ec. 9.4

Sonhos trazem esperança e a esperança deve nos ensinar a esperar.

E quando o sonho realmente traz a Esperança certa?

* Quando guardamos para o momento certo a partilha do que esperamos.

Isto porque, o sonho antes de ser compartilhado deve ser testado no tempo para saber se devemos continuar a esperar, e esta espera deve estar no Deus que é a nossa Esperança bendita e pelo qual todas as coisas devem ser submetidas.

Ninguém é obrigado a sonhar o seu sonho, mesmo quando é o próprio Deus colocando em seu coração. Cada pessoa tem sua relação com Deus e, não são obrigadas a entrarem no seu sonho com o mesmo entusiasmo que você tem.

* Quando os princípios do Reino de Deus estão dentro dos nossos sonhos.

Porque sonhamos? Para que sonhamos? A partir do que sonhamos?

São perguntas que devem nos fazer pensar se tais sonhos têm ou não a marca do Reino de Deus.

As vezes sonhamos apenas para si.
As vezes sonhamos em apenas ter.
As vezes sonhamos apenas a partir do que fazemos.

Estas não são boas perspectivas.

No Reino de Deus o chamado é para sonhar com os irmãos, onde a alegria de um se transforma na alegria de todos.
No Reino de Deus o chamado é para sonhar ser o que se não é e assim observar o que se tem.
No Reino de Deus o chamado é para andar com o coração cheio de fé na certeza que a realização do sonho não depende tanto do que se faz, mas do quanto se entrega.

Penso que algumas perguntas nos ajudam a entender isso melhor.

1ª O que tem impedido você de sonhar e ter esperança?

Em Romanos 4.18a Paulo diz: “Abraão, contra toda esperança, em esperança creu.”

Abraão entrou na galeria dos homens da fé, porque creu contra toda esperança!
Enoque também está nesta relação, porque andou com Deus durante 300 anos.

Fé, portanto, implica em andar com Deus!
É uma caminhada intensa, de renúncia, mas de muito descanso.
Quem consegue andar com Deus descansa no que Ele faz e faz com alegria o que deve ser feito.

“Dirige os meus passos, conforme a tua palavra; não permitas que nenhum pecado me domine.” Sl. 119.133

2) O que traz confiança que seu sonho transformará em realidade?

Em seguida Paulo diz que Abraão tinha uma certeza no coração “estando plenamente convencido de que ele era poderoso para cumprir o que havia prometido.” Rm. 4.21

É o Senhor que pode tornar possível todas as coisas. Acreditar no sonho achando que alguma coisa vai conspirar ao seu favor é depositar a confiança na própria sorte.
Fé implica em confiar em Deus acima do seu próprio sonho!
E quem enxerga Deus antes de enxergar os sonhos, consegue sonhar em segurança.

O segredo é estar em Cristo, caminhar com Ele e buscar uma vida que se satisfaça n’Ele!
Ou Ele confirmará seus sonhos, ou Ele colocará os sonhos d’Ele em você.

Afinal, estar na videira, é a garantia de vida e de esperança.

Jesus diz: “Se vocês permanecerem em mim, e as minhas palavras permanecerem em vocês, pedirão o que quiserem, e lhes será concedido.” Jo. 15.7

3) As circunstâncias dizem o que?

“nos gloriamos nas tribulações, porque sabemos que a tribulação produz perseverança; a perseverança, um caráter aprovado; e o caráter aprovado, esperança. E a esperança não nos decepciona, porque Deus derramou seu amor e nossos corações, por meio do Espírito Santo que ele nos concedeu.” Rm. 5.3b-5

A perseverança surge em meio a tribulação. É quando as circunstâncias são desfavoráveis que geralmente ocorre a dinâmica da fé. Pois temos a oportunidade de crer em meio ao caos.

Nesta caminhada cada “sim” à perseverança é uma experiência agregada, um caráter aprovado.
Ninguém que tendo um sonho, não persevera, é capaz de gozar dos benefícios dele. Aquilo que se constrói enquanto aguarda o sonho se realizar, cria condições para que você esteja preparado para receber o que espera.

Além disso, em nosso relacionamento com Deus, a experiência com Ele muitas vezes é provada quando insistimos em tê-lo com a gente.
A experiência de Jacó quando “luta” com Deus nos ajuda a entender um pouco disso. (Gn. 32.22-32)

Essa experiência nos dá condições de esperar com paciência, com uma esperança viva n’Ele, pois aquele que prometeu é muito maior que a promessa.

“Que o Deus da esperança os encha de toda alegria e paz, por sua confiança nele, para que vocês transbordem de esperança, pelo poder do Espírito Santo.” Rm. 15.13

Bruno Brasil

Sem CONVERSÃO não há “COИVƎЯSÃO”!

Posted in Devocionais, Outra with tags , , on 9 julho, 2013 by Bruno Brasil

Imagem

Israelitas, ouçam a palavra do Senhor, porque o Senhor tem uma acusação contra vocês que vivem nesta terra:

A fidelidade e o amor desapareceram desta terra, como também o conhecimento de Deus. Só se vêem maldição, mentira e assassinatos, roubo e mais roubo, adultério e mais adultério; ultrapassam todos os limites! E o derramamento de sangue é constante. Oséias. 4.1,2

O Senhor tinha grande acusação contra Israel a começar pelos sacerdotes.
A fidelidade, o amor e o conhecimento de Deus já não estava entre os anseios do povo. Por conta disso abre-se uma porta para diversos tipos de iniquidades.

Penso não ser diferente nos dias de hoje.

Mas a pergunta que fica é a seguinte:
Se tudo procede da fidelidade, do amor e do conhecimento de Deus creio que não há outra alternativa a não ser voltar a estes princípios.

Assim, a oração e o engajamento prático da Igreja se torna ainda mais importante do que a busca por uma justiça as vezes ainda desconhecida pelos seus governantes.

Sim! Afinal como propor justiça aos outros se esta passa pelo conhecimento de Deus?

Conhecer a Deus é antes de tudo uma experiência existencial.
Sem experiência existencial o modus operandi da justiça na esfera coletiva fica comprometido.

Assim, pego carona no discurso do salmista:

“Como é feliz a nação que tem o Senhor como Deus, o povo que ele escolheu para lhe pertencer!” Sl. 33.12

Sem fidelidade não há parâmetros para execução da justiça!
Sem amor não há base para se sustentar nada!
Sem conhecimento de Deus não há oportunidade de conversão de valores e princípios!

Portanto, cabe a nós como Igreja de Cristo fazer uma conversão pra dentro de nós segundo estes princípios do amor, da fidelidade e do conhecimento de Deus.

E sendo assim, propor uma agenda de dentro pra fora, onde a Igreja seja o canal profético e prático para a denúncia dos desvios desta nação.

Que o Senhor nos abençoe.

Bruno Brasil

Para glória de Deus!

Posted in Devocionais, Outra on 8 julho, 2013 by Bruno Brasil

cego_fariseu2

Pela segunda vez, chamaram (os fariseus) o homem que fora cego e lhe disseram: “Para glória de Deus, diga a verdade. Sabemos que esse homem é pecador”. Ele respondeu: “Não sei se ele é pecador ou não. Uma coisa sei: eu era cego e agora vejo!” Jo. 9.24,25

Para glória de Deus os fariseus desejavam não serem contrariados…
Para glória de Deus os fariseus queriam enxergar Deus com as lentes da religião…
Para glória de Deus os fariseus preferiram enxergar o pecado que não existia do que o milagre a frente dos seus olhos…
Para glória de Deus os fariseus achavam que tinham posse de toda a verdade…
Para glória de Deus os fariseus não aceitaram a exortação…

Para glória de Deus….ou será dos fariseus!?

Não sei se a glória é de Deus ou dos fariseus. Uma coisa sei: Para glória de Deus, livra-me Senhor de apontar para o fariseu “a glória” que as vezes insiste em ser minha também!

Abra Senhor os meus olhos para que eu possa ver!

Bruno Brasil

Seguir a JESUS – Um maravilhoso projeto de vida!

Posted in Devocionais on 27 dezembro, 2012 by Bruno Brasil

1 Certo dia Jesus estava perto do lago de Genesaré e uma multidão o comprimia de todos os lados para ouvir a palavra de Deus. 2 Viu à beira do lago dois barcos, deixados ali pelos pescadores, que estavam lavando as suas redes. 3 Entrou num dos barcos, o que pertencia a Simão, e pediu-lhe que o afastasse um pouco da praia. Então sentou-se, e do barco ensinava o povo. 4 Tendo acabado de falar, disse a Simão: “Vá para onde as águas são mais fundas”, e a todos: “Lancem as redes para a pesca”. 5 Simão respondeu: “Mestre, esforçamo-nos a noite inteira e não pegamos nada. Mas, porque és tu quem está dizendo isto, vou lançar as redes”. 6 Quando o fizeram, pegaram tal quantidade de peixes que as redes começaram a rasgar-se. 7 Então fizeram sinais a seus companheiros no outro barco, para que viessem ajudá-los; e eles vieram e encheram ambos os barcos, ao ponto de começarem a afundar. 8 Quando Simão Pedro viu isso, prostrou-se aos pés de Jesus e disse: “Afasta-te de mim, Senhor, porque sou um homem pecador!” 9 Pois ele e todos os seus companheiros estavam perplexos com a pesca que haviam feito, 10 como também Tiago e João, os filhos de Zebedeu, sócios de Simão. Jesus disse a Simão: “Não tenha medo; de agora em diante você será pescador de homens”. 11 Eles então arrastaram seus barcos para a praia, deixaram tudo e o seguiram.

No relato de Lucas acerca da “pesca maravilhosa” vemos inicialmente Jesus ensinando a palavra de Deus a uma multidão. Após seu ensino ao povo, Ele se dirige a Pedro, Tiago e João e os convoca a fazer o que ele dizia. Surpreendentemente “brotam” em suas redes muitos peixes ao ponto dos barcos começarem a afundar.

Jesus realiza um milagre circunstancial. “Brotar peixes de onde não tinha”. O impacto disso foi tão grande que Pedro reconhece seu estado pecaminoso quando pede para o Senhor se afastar dele.

A reação de Jesus não surpreende. Além de continuar junto de Pedro, o convoca para uma missão ainda maior. Ser seu discípulo! Imediatamente Pedro e seus amigos deixam o “milagre dos peixes” para trás e o seguem, motivados ao maravilhoso projeto e maior milagre de vida.

Seguir a JESUS!

Você deseja fazer o mesmo?

Provérbios 31

Posted in Devocionais, Provérbios on 31 julho, 2011 by Bruno Brasil

1 Ditados do rei Lemuel; uma exortação que sua mãe lhe fez:a 2 “Ó meu filho, filho do meu ventre, filho de meus votos,b 3 não gaste sua força com mulheres, seu vigor com aquelas que destroem reis. 4 “Não convém aos reis, ó Lemuel; não convém aos reis beber vinho, não convém aos governantes desejar bebida fermentada, 5 para não suceder que bebam e se esqueçam do que a lei determina, e deixem de fazer justiça aos oprimidos. 6 Dê bebida fermentada aos que estão prestes a morrer, vinho aos que estão angustiados; 7 para que bebam e se esqueçam da sua pobreza, e não mais se lembrem da sua infelicidade. 8 “Erga a voz em favor dos que não podem defender-se, seja o defensor de todos os desamparados. 9 Erga a voz e julgue com justiça; defenda os direitos dos pobres e dos necessitados”. 10 aUma esposa exemplar; feliz quem a encontrar! É muito mais valiosa que os rubis. 11 Seu marido tem plena confiança nela e nunca lhe falta coisa alguma. 12 Ela só lhe faz o bem, e nunca o mal, todos os dias da sua vida. 13 Escolhe a lã e o linho e com prazer trabalha com as mãos. 14 Como os navios mercantes, ela traz de longe as suas provisões. 15 Antes de clarear o dia ela se levanta, prepara comida para todos os de casa, e dá tarefas às suas servas. 16 Ela avalia um campo e o compra; com o que ganha planta uma vinha. 17 Entrega-se com vontade ao seu trabalho; seus braços são fortes e vigorosos. 18 Administra bem o seu comércio lucrativo, e a sua lâmpada fica acesa durante a noite. 19 Nas mãos segura o fuso e com os dedos pega a roca. 20 Acolhe os necessitados e estende as mãos aos pobres. 21 Não teme por seus familiares quando chega a neve, pois todos eles vestem agasalhosb. 22 Faz cobertas para a sua cama; veste-se de linho fino e de púrpura. 23 Seu marido é respeitado na porta da cidade, onde toma assento entre as autoridades da sua terra. a31.10 Os versículos 10-31 são um poema organizado em ordem alfabética, no hebraico. 24 Ela faz vestes de linho e as vende, e fornece cintos aos comerciantes. 25 Reveste-se de força e dignidade; sorri diante do futuro. 26 Fala com sabedoria e ensina com amor. 27 Cuida dos negócios de sua casa e não dá lugar à preguiça. 28 Seus filhos se levantam e a elogiam; seu marido também a elogia, dizendo: 29 “Muitas mulheres são exemplares, mas você a todas supera”. 30 A beleza é enganosa, e a formosura é passageira; mas a mulher que teme o SENHOR será elogiada. 31 Que ela receba a recompensa merecida, e as suas obras sejam elogiadas à porta da cidade.

Estes versículos descrevem um poema com muita doçura e harmonia. Deixarei registrado algumas coisas que aprendo e percebo em cada trecho deste, que para mim é um convite a valorizar o que de fato importa na busca e valorização de uma mulher exemplar.

10 Uma esposa exemplar; feliz quem a encontrar! É muito mais valiosa que os rubis.

“Apenas encontra quem procura e se deixa encontrar enquanto se relaciona, uma vez que só é possível perceber certos atributos enquanto a chama do amor se desenvolve a cada dia…”

11 Seu marido tem plena confiança nela e nunca lhe falta coisa alguma.

“Quem confia descansa e, portanto a inquietude dá lugar a certeza, que mesmo em tempo onde se perde, jamais se reconhece a falta, pois quem confia obtém sempre a provisão, mesmo achando que estás apenas a semear…”

12 Ela só lhe faz o bem, e nunca o mal, todos os dias da sua vida.

“Só existe bem onde a verdade e o amor caminham juntos e a vida passa a ter outro sentido, pois quando se abre a porta do coração para fora, recebe o bem para dentro, mas quando o coração se fecha para dentro o mal sempre bate a porta.”

13 Escolhe a lã e o linho e com prazer trabalha com as mãos.

“Uma mulher que não faz nada por fazer ou de modo egoísta, ao contrário, se dispõe a escolher cuidadosamente aquilo que cobrirá de ternura não apenas a estética do casal, mas as imperfeições um do outro.”

14 Como os navios mercantes, ela traz de longe as suas provisões.

“Não mede esforços nem se condiciona a um lugar para trazer aquilo que possa servir de “pró-visão”, ou seja, de enxergar antes mesmo da visão do marido ou da “simples” lógica relacional.”

15 Antes de clarear o dia ela se levanta, prepara comida para todos os de casa, e dá tarefas às suas servas.

“É antes de tudo responsável, cuidadosa e zelosa. Antes de delegar algo se dispõe a preparar o que seja necessário.”

16 Ela avalia um campo e o compra; com o que ganha planta uma vinha.

“Não precipta-se na aquisição de nada, antes avalia com cuidado o que compra e somente usufrui daquilo, de acordo com o que recebe.”

17 Entrega-se com vontade ao seu trabalho; seus braços são fortes e vigorosos.

“Aquilo que faz, não faz relaxadamente, ao contrário valoriza-se, valorizando o criador que antes mesmo do fazer, permite que a tenha força e vigor para entregar-se.”

18 Administra bem o seu comércio lucrativo, e a sua lâmpada fica acesa durante a noite. 19 Nas mãos segura o fuso e com os dedos pega a roca. 20 Acolhe os necessitados e estende as mãos aos pobres. 21 Não teme por seus familiares quando chega a neve, pois todos eles vestem agasalhos 22 Faz cobertas para a sua cama; veste-se de linho fino e de púrpura.

“Sua administração e zelo visa não apenas abraçar com amor os de dentro, mas acolher os de fora, pois de que valeria o lucro se este também não fosse em função do próximo e resumisse apenas em gastar com o próprio prazer?”

23 Seu marido é respeitado na porta da cidade, onde toma assento entre as autoridades da sua terra. 24 Ela faz vestes de linho e as vende, e fornece cintos aos comerciantes.

“Quem não se dá respeito aos de dentro, dificilmente respeitará sem maquiagem os de fora. Ele é para os de fora, fruto daquilo que colhe dentro – ao lado dela. Ela por sua vez tece com cuidado aquilo que servirá para os de fora.”

25 Reveste-se de força e dignidade; sorri diante do futuro.

“Sua dignidade é fruto de quem estabelece relação de cumplicidade e apoio ao marido. Tem a força por saber que sendo dois é mais difícil de fraquejar, pois mesmo no frio há calor, na escassez provisão e quando o passado amedronta imagina sempre o futuro que ainda não foi tocado pelas mãos humanas, mas já está traçado pelo criador.”

26 Fala com sabedoria e ensina com amor.

“Sua sabedoria não a deixa falando como quem tem razão, mas deixa a razão falar sem às vezes pronunciar palavra alguma. Seus ensinamentos são como mel para quem recebe.”

27 Cuida dos negócios de sua casa e não dá lugar à preguiça.

“A casa permanece sempre em ordem, pois suas mãos são leves e organiza tudo o que toca.”

28 Seus filhos se levantam e a elogiam; seu marido também a elogia, dizendo: 29 “Muitas mulheres são exemplares, mas você a todas supera”.

“Seus maiores amores reconhecem naturalmente o amor demonstrado em tudo o que faz e, portanto o elogio não se torna vazio, mas carregado de amor e verdade.

O marido é sensato. Reconhece o exemplo em muitas donzelas, mas aquela que se faz presente em sua vida recebe o presente de ser simplesmente presente na vida dele e, portanto não cabe outra além dela!”

30 A beleza é enganosa, e a formosura é passageira; mas a mulher que teme o SENHOR será elogiada.

“Nela está o temor ao Senhor acima de tudo e sua beleza é somente um reflexo daquilo que de seu coração emana para a vida, pois o belo dificilmente se afirma na estética ou na aparência, mas em sua conduta e exemplo.”

31 Que ela receba a recompensa merecida, e as suas obras sejam elogiadas à porta da cidade.

“A recompensa para esta mulher não pode jamais fazer o caminho inverso, mas de igual modo responder com verdade, sinceridade e amor as expectativas daquela que no mínimo deseja ser amada e no fundo ser reconhecida por ele como uma mulher exemplar.”

Pois aquilo que o coração decidiu alimentar-se precisa também traduzir em alimento para o bem comum. Afinal é melhor serem dois do que um!

Uma esposa exemplar; feliz quem a encontrar!

Provérbios 30

Posted in Devocionais, Provérbios on 30 julho, 2011 by Bruno Brasil

1 Ditados de Agur, filho de Jaque; oráculo:b Este homem declarou a Itiel; a Itiel e a Ucal:c 2 “Sou o mais tolo dos homens; não tenho o entendimento de um ser humano. 3 Não aprendi sabedoria, nem tenho conhecimento do Santo. 4 Quem subiu aos céus e desceu? Quem ajuntou nas mãos os ventos? Quem embrulhou as águas em sua capa? Quem fixou todos os limites da terra? Qual é o seu nome, e o nome do seu filho? Conte-me, se você sabe! 5 “Cada palavra de Deus é comprovadamente pura; ele é um escudo para quem nele se refugia. 6 Nada acrescente às palavras dele, do contrário, ele o repreenderá e mostrará que você é mentiroso. 7 “Duas coisas peço que me dês antes que eu morra: 8 Mantém longe de mim a falsidade e a mentira; não me dês nem pobreza nem riqueza; dá-me apenas o alimento necessário. 9 Se não, tendo demais, eu te negaria e te deixaria, e diria: ‘Quem é o SENHOR?’ Se eu ficasse pobre, poderia vir a roubar, desonrando assim o nome do meu Deus. 10 “Não fale mal do servo ao seu senhor; do contrário, o servo o amaldiçoará, e você levará a culpa. 11 “Existem os que amaldiçoam seu pai e não abençoam sua mãe; 12 os que são puros aos seus próprios olhos e que ainda não foram purificados da sua impureza; 13 os que têm olhos altivos e olhar desdenhoso; 14 pessoas cujos dentes são espadas e cujas mandíbulas estão armadas de facas para devorarem os necessitados desta terra e os pobres da humanidade. 15 “Duas filhas tem a sanguessuga. ‘Dê! Dê!’, gritam elas. “Há três coisas que nunca estão satisfeitas, quatro que nunca dizem: ‘É o bastante!’: 16 o Sheola, o ventre estéril, a terra, cuja sede nunca se aplaca, e o fogo, que nunca diz: ‘É o bastante!’ 17 “Os olhos de quem zomba do pai, e, zombando, nega obediência à mãe, serão arrancados pelos corvos do vale, e serão devorados pelos filhotes do abutre. 18 “Há três coisas misteriosas demais para mim, quatro que não consigo entender: 19 o caminho do abutre no céu, o caminho da serpente sobre a rocha, o caminho do navio em alto mar, e o caminho do homem com uma moça. 20 “Este é o caminho da adúltera: ela come e limpa a boca, e diz: ‘Não fiz nada de errado’. 21 “Três coisas fazem tremer a terra, e quatro ela não pode suportar: 22 o escravo que se torna rei, o insensato farto de comida, 23 a mulher desprezada que por fim se casa, e a escrava que toma o lugar de sua senhora. 24 “Quatro seres da terra são pequenos, e, no entanto, muito sábios: 25 as formigas, criaturas de pouca força, contudo, armazenam sua comida no verão; 26 os coelhos, criaturas sem nenhum poder, contudo, habitam nos penhascos; 27 os gafanhotos, que não têm rei, contudo, avançam juntos em fileiras; 28 a lagartixa, que se pode apanhar com as mãos, contudo, encontra-se nos palácios dos reis. 29 “Há três seres de andar elegante, quatro que se movem com passo garboso: 30 o leão, que é poderoso entre os animais e não foge de ninguém; 31 o galo de andar altivo; o bode; e o rei à frente do seu exército. 32 “Se você agiu como tolo e exaltou-se a si mesmo, ou se planejou o mal, tape a boca com a mão! 33 Pois assim como bater o leite produz manteiga, e assim como torcer o nariz produz sangue, também suscitar a raiva produz contenda”.

Este texto parece indicar uma constatação de Agur (filho de Jaque), (embora algumas interpretações creditam ao próprio Salomão e não atribuem a Agur um nome próprio) sobre a sua própria limitação em contraponto com a Sabedoria e conhecimento do Santo.

No verso 5 e 6 ele deposita na palavra de Deus toda a suficiência e segurança para a vida:

“Cada palavra de Deus é comprovadamente pura; ele é um escudo para quem nele se refugia.”

“Nada acrescente às palavras dele, do contrário, ele o repreenderá e mostrará que você é mentiroso.”

Por reconhecer a limitação humana e a fragilidade em cair em arrogância ou desonra, pede apenas o necessário para a vida:

“Se não, tendo demais, eu te negaria e te deixaria, e diria: ‘Quem é o Senhor?’. Se eu ficasse pobre, poderia vir a roubar, desonrando assim o nome do meu Deus.” (9)

Os versos 18 e 19 chamam atenção para as quatro coisas que para ele são misteriosas e a quarta em algumas traduções vem carregada de mais mistério ainda.

“o caminho do abutre no céu, o caminho da serpente sobre a rocha, o caminho do navio em alto mar, e o caminho do homem com uma moça.” (19)

Quero comentar estes enigmas utilizando um livro do Caio Fábio a décadas atrás com o título “Abrindo o jogo sobre o namoro”. Neste livro ele diz que os três mistérios iniciais ajudam a interpretar o quarto que fala do caminho do homem com uma moça.

Quando fala da águia dá idéia de um objetivo, um alvo a alcançar e da mesma forma o casal precisa de um propósito com acordo e meta, afinal como caminharão dois juntos se não tiver acordo?

Em segundo lugar ao falar sobre a serpente na rocha é o fato de não encontrar pegadas ou marcas ou qualquer indício de sua passagem. Ou seja, o caminho do relacionamento entre um homem e uma mulher também precisa ser limpo, puro, regado com muita transparência, respeito e consciência do que seja bom e bem ao casal.

Por fim o marinheiro com um navio em alto mar, onde no contexto histórico de provérbios buscava sua orientação basicamente pelos sinais dos céus. O casal também precisa receber dos céus a orientação para um relacionamento segundo a vontade de Deus.

Nos versículos 24 a 28 nos fazem aprender com animais indefesos, sem grande expressão, mas que carregam sabedoria em suas vidas.

“Quatro seres da terra são pequenos, e, no entanto, muitos sábios: as formigas, criatura sde pouca força, contudo, armazenam sua comida no verão; os coelhos, criaturas sem nenhum poder, contudo, habitam em penhascos; os gafanhotos, que não têm rei, contudo, avançam juntos em fileiras; a lagartixa, que se pode apanhar com as mãos, contudo, encontra-se nos palácios dos reis.”

As formigas dão idéia de prudência e superação;
Os coelhos que mesmo com aparência débil, constroem suas casas sobre as rochas;
Os gafanhotos nos mostram a unidade e superação;
A lagartixa nos remete a simplicidade e a audácia.

Que o Senhor nos abençoe.